miércoles, 16 de junio de 2010

É Notícia!!!

Pois de coisas estranhas essa cidade está cheia, contudo ontem vi um acontecimento totalmente insólito; tanto que escrevi um texto e mandei pra um jornal local com foto. Minutos depois, aí o resultado:

Revuelta en el Metrobús

Durante esos dos meses que he vivido en México he visto muchas cosas que, mientras son comunes para los 'chilangos', parecen raras para los extranjeros como yo. Sin embargo, lo que presencié en el martes pasado fue totalmente insólito. Así como todas las grandes metrópolis, todos sabemos que el DF. tiene muchos problemas crónicos, siendo uno de ellos el transporte público. Así es que la población por fin se acostumbra de las molestias cotidianas y pasa después a casi ignorarlas, pero deja su indignación latente, lo que puede crear un círculo vicioso muy peligroso.

Eran cerca de las 8:30 de la noche y esperaba el Metrobús junto con mi novia en la estación Corregidora. Tan pronto llegó el primer carro – que estaba muy lleno como de costumbre -, subimos y aguardábamos por la partida. Nos extrañamos que por varios minutos las puertas se quedaran abiertas, hasta que un agente de la policía auxiliar nos informó que había un problema mecánico y todos deberían bajarse. Siguiendo las órdenes, todos salieron excepto 5 ó 6 señoras que ya estaban ahí desde la otra estación y sentadas en los primeros asientos del autobús.

Se negaban a dejar el transporte diciendo que no era la primera vez que algo así se pasaba, reclamaban de la calidad del servicio y completaban gritando que habían esperado mucho en la parada. Mientras el policía intentaba resolver el problema de una forma pacífica, las personas que habían salido seguían paradas en el andén, esperando que este camión fuera removido a fin de que otros pudieran llegar para atenderlos.

Los autobuses que venían tras de eso pasaban al lado y por cada nuevo carro que se desviaba la tensión entre la gente aumentaba. Al principio la situación pareció chistosa, después triste y por fin nerviosa. Empezaran a gritar “que se bajen, que se bajen”, lo que me pareció aumentar aún más el sentimiento de rabia de las señoras y llegué a recelar que algo de más agresivo pudiera pasar, lo que felizmente no ocurrió.

Lo que nadie comprendía, y yo tampoco, era la manera de pensar de las señoras, pues no era lógica: el autobús no podía seguir viaje y por consiguiente las mismas señoras no llegarían a su destino. Pero estaban decididas a quedarse ahí y su cólera parecía impedirles de pensar. Después de algunos minutos, bajo presión de todos, por fin ellas desistieron de su revolución particular y volvieron a integrar el grupo de los silenciados por la resignación.

Por fin entendí que aquel no era un acto difícil de comprender. Era simplemente personas oprimidas haciendo uso de la única arma que tenían para mostrar su indignación, un sentimiento que es común para todos indiferentemente de la cultura. Al final, americanos, brasileños, húngaros, mexicanos, todos somos seres humanos. Sin embargo, lo que más me preocupa no es la manera encontrada por estas pobres mujeres para defenderse de la injusticia y indiferencia que sufren diariamente, la cual fue usando exactamente las mismas armas de que son víctimas, sino el problema resultante que tendrá la propia sociedad si seguir dejando que se silencien las voces de los justos.

miércoles, 9 de junio de 2010

Six Flags...

...é uma rede de parques de diversäo muito conhecida nos EUA que tem uma filial aqui no D.F. Näo estava nos planos ir lá, mas já que descolei um cupom de desconto, achei que valeria a pena. Afinal, o lugar tem 6 montanhas russas e mais uns brinquedos extremos beeeem legais.


Logo que entrei, busquei no mapa algo pra começar o passeio de forma leve.
-Esse deve ser bom, näo é täo alto. - disse eu, ingênuo.
-Por mim pode ser: näo tem looping. - respondeu Rita, inocentenmente.

Pois näo é que o tal "Superman - el último escape" era a atraçäo principal do lugar?? O troço tem mais de 5km de extensäo (uma das dez mais longas do mundo), chegava a ter inclinaçäo de 60 graus e corria até a 160km/h!! Cara, o lance é f-o-d-a!!! Cheguei no fim com as mäos dormentes por falta de circulaçäo.




Eu à esquerda, já enxarcado dos brinquedos aquátidos; a maior elevaçäo de "Superman, el ultimo escape" ao centro e à direita, "Batman, the Ride".

Fui entäo aproveitar os jogos mais calmos, mas as pernas ficaram bambas por uma boa meia hora. Caí na bobagem de entrar nos brinquedos aquáticos e permaneci ensopado por boa parte do passeio. Seguindo o ditado fleckiano de "o que é um peido pra quem 'tá cagado?", ainda encarei os outros "extreme" e, pra terminar, um gran finale no "Batman, the Ride", que tem várias inversöes e o detalhe de ser suspensa, ou seja, com os pés no ar. Animal!!


miércoles, 2 de junio de 2010

Cuicuilco

As grandes metrópoles realmente tem muita coisa em comum, mas daí a dizer que "quem viu uma, viu todas" já é uma generalizaçäo descabida e extremamente perigosa. Afinal, será que em Tóquio ou Nova Iorque tu poderia encontrar as ruínas de uma pirâmide com mais de 2000 anos de idade num endereço como "Avenida Insurgentes Sur, 156"?

'Tá, eu sei que hoje parece apenas um monte de terra com uma pedras, mas essa aí era uma obra com mais de 100 metros de diámetro e quase 30 de altura. Aliás, considerando a açäo do tempo e as diversas interferências de conquistadores da regiäo e até uma erupçäo vulcânica, até que ela está bem enxuta.


video

domingo, 30 de mayo de 2010

Xochimilco

Outro ponto de passagem obrigatória pra quem está na Cidade do México é Xochimilco. O atrativo principal aí säo os passeios de trajinera (tipo uma gôndola só que para grupos maiores) através dos canais remanescentes do grande lago que antes havia aí, o que aliás é patrimônio da humanidade. O lance aqui é bem farofa: pegar a família toda, encher sacolas com mantimentos e passar a tarde navegando pelos canais ao som de mariachis.

Niñopa chega à igreja sobre um tapete de pétalas.


Chinelos dançam ao som da banda.


Sim, aquele boneco é o venerado Niñopa.


Saca só a estratégia pueril pra comer algodäo doce na faixa

Mas antes de chegar aos embarcaderos, demos a sorte de cruzar com uma procisäo local. Meu professor comentava ontem de algumas tradiçöes católicas locias e destacou a veneraçäo ao Niñopa como uma delas. Pois näo é que demos a sorte de ver exatamente a chegada dele à igreja do centro com todas as honrarias dignas do evento: banda marcial, chinelos dançando ao redor e uma fila enorme de gente pra beijar os pés da imagem.

A indicaçäo é ir sempre em grupos grandes, pois o aluguel do barco näo é por pessoa, mas por hora. Entäo pra curtir como se deve, fui com uma galera muito bacana do CouchCurfing, munidos de ceva e violäo!!





viernes, 28 de mayo de 2010

O Dia Em Que Vi Um Cavaleiro Inglês

Prólogo. Ir a concertos de rock sempre foi um dos meus programas preferidos. Imagina entäo meu estado de nervos quando tomei conhecimento que um Beatle passaria pela Cidade do México: näo só era algo que eu queria muito ver, mas quase uma quase obrigaçäo moral comparecer a um evento dessa magnitude...

Mês M. Fiquei sabendo que Sir Paul Mccartney passaria por essas bandas logo depois que cheguei no México - o que amanhä completará um mês - por acaso quando reparei num cartaz já quase encoberto por outros no mural da universidade. Claro que já nao havia mais ingressos fazia tempo, tanto que foi organizada uma segunda apresentaçao, que também esgotou em questao de horas. O jeito foi apelar pro comercio informal. Depois de muito pesquisar e correr pra encontrar uma opçao que coubesse no meu mais que restrito orçamento, consegui um assento numa arquibancada numerada um pouco distante do palco, mas pelo razoável preço de 800 pesos (pouco mais de R$ 100), mais que o dobro do valor de face. Pelo menos meu lugar 'tava garantido.

Dia D. Fiz a bobagem de ir ver o Jardim Botânico da Unam, o que até teria sido um programa legal se näo terminasse por eu me perdendo no tal parque e tendo que caminhar quase meia hora na chuva até achar a saída. Enxarcado e já um pouco atrasado, fui em direçäo ao Foro Sol já um pouco preocupado pela distância - o local era longe do centro - e pela hora - rush hour de uma sexta-feira numa das maiores capitais do mundo. Ao sair do metrô, o desespero! Sabia que levaria certo tempo pra chegar até o estádio, mas näo contava com tamanho caos. Auxiliado por um senhor e sua esposa, enfim encontrei meu caminho e, pra compensar a bagunça da primeira impressäo, na chegada do estádio uma organizaçao que deixaria muitos eventos europeus no chinelo. Meia hora antes do início, Chegada, Ola, ceva

Hora H. McCartney adentrou o palco já ovacionado, ao molho castelhano: "olééé olé olé olééééé, Sir Poll, Sir Poll". Afinal, chegar aos 67 sendo um ídolo mundial näo é pra qualquer um. Confesso que näo conhecia as primeiras 2 ou 3 cançoes do show, que eram da sua carreira solo. Até que foi bom, pois eu näo conseguia prestar devida atençäo à nada: só tinha olhos pr'aquele lendário Hofner, ouvidos praquela voz singular e pensamentos pra "porra, é mesmo o cara!!". Assim como a maioria do público, estava ansioso era pra ter uma dose de Beatles, o que näo tardou: "Are you ready?? 'Cause we are!"; e logo vi garotas de 17 a vovós de 70 dando gritos histéricos ao som de "All my loving". A partir daí manteve essa alternancia entre músicas de ambas das grandes fases de sua carreira.

De fato, o meu assento näo estava num lugar que me agradava. De todos os concertos aos quais já fui, este era o em que eu estava mais distante do palco. O problema nem era tanto pela questäo visual, já que dois enormes telöes resolviam essa parte, mas a distância me deixou à mercê do vento que ora batia forte e levava o som para o outro lado do estádio, o que afortunadamente se amenizou nos primeiro minutos do show. Só a essa distância entendi uma expressäo que minha mäe sempre dizia: pela grande tela näo via sua boca se mover atrás do microfone, mas eu o via cantar com sua cabeça balançando de um lado pro outro e pelas sombrancelhas sempre arqueadas. Paul McCarteney canta pelos olhos.

Mas se o lugar me parecia ruim até aquele momento, o que aconteceu a seguir veio pra compensar isso. Quando Paul começou a tocar "1985", todo o estádio passou a luzir no ritmo da música. O som, que chegava a cada parte do lugar a um momento distinto em funçao de sua velocidade, fazia com que as luzes piscassem numa onda sincronizada, um espetáculo único. Täo singular que o próprio anfitriäo se sentiu na obrigaçao de saudar o público dizendo "this thing you guys do is really great. There's nowhere en todo el mundo. Gracias por las luzes!". Tanto gostou que chegou a fazer, logo após, um improviso só pra que os chilangos mostrassem uma vez mais seu talento único.

O show era hipnotizante, por vezes parecia que o mundo inteiro parava pra fazer parte. De fato, quando as primeiras notas de "And I Love Her" ecoaram, até o vendedor de cerveja que subia freneticamente a escada ao meu lado subitamente parou, ajeitou sua bandeja no chäo e se pôs a admirar o músico que, por certo, tantas vezes o embalou e a seu par. Logo em seguida, acompanhado apenas de seu violäo, Paul passou a contar que a música que viria a seguir foi inspirada numa das poucas peças eruditas de Bach que sabia, mesmo que parcialmente, e entäo deu os primeiros acordes da minha preferida: "Blackbird". Näo me consideraria homem se näo tivesse a coragem pra dizer que meus olhos se inundaram nessa hora.

Näo faltaram homenagens aos outros Beatles, o que ocorreu especialmente em três momentos. Os dois primeiros foram claramente anunciados: a emocionante "Here Today" para Lennon e uma linda versäo de "Something" para Harrison. O terceiro veio sem aviso e tomou de assalto a platéia durante um medley que acabou em "Give Peace A Chance". Às milhares de vozes em coro se somou a chuva que por fim veio fazer parte do espetáculo como que abençoando aquele pedido pela paz. E ela, a chuva, gostou tanto de participar que näo quis mais ir embora, o que ao invés de diminuir o ânimo do público só o fez aumentar. A água foi tanta ao ponto de o vento näo conseguir mais suspender a grande bandeira mexicana hasteada ao lado do palco.

Inegavelmente, os grandes momentos da noite aconteceram com a execuçäo dos clássicos: "Eleanor Rigby", "I've Got a Feeling", "Paperback Writer", "Let It Be"; mas a noite ainda guardava sua hora apoteótica para "Live and Let Die" que veio salpicada de fogos de artifìcio. Me impressionou a humildade de um cara que tem tudo pra se achar a última bolachinha do pacote ao se dirigir ao público sempre na primeira pessoa do plural e ao näo poupar elogios e agradecimentos às equipes de som, luz e ao público, atitudes insólitas em um mundo musical cada vez mais egocêntrico.

Encerrou o setlist com a unânime "Hey Jude", mas sabendo que o público näo se saciaria facilmente, Paul voltou ao palco ainda duas vezes pra tocar nada menos que "Day Tripper", "Get Back", "Yesterday", "Helter Skelter" e fechar a conta com "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band (reprise)". No total, foram quase 3 horas de show que levaram quase 60 mil pessoas a muitos lugares, épocas e sentimentos diferentes. Pronto, agora eu näo terei mais dúvidas quanto me perguntarem qual meu beatle preferido.

Epílogo. Depois do show, queria uma lembrança da noite histórica. Na loja oficial, camisetas esgotadas e posters por preços proibitivos. Fui conferir entäo as dezenas (quiçá centenas) de bancas "alternativas". A diversidade de produtos e opçöes era sem igual, um verdadeiro magazine!! Depois, o desafio pra voltar pra casa. Já passava da meia noite quando o show terminou, mais de uma da madrugada quando enfim alcancei a rua. Lembre-se que o transporte público encerra à meia noite. Taxi? Mais de R$ 50! Ou seja, nem a pau! Depois de muito procurar e já quase resignado a pagar a corrida, consegui um micro-ônibus que me deixou relativamente perto de casa por 5 pila!!

PS: Espero em breve conseguir colocar os vídeos, que säo o melhor registro que tenho. infelizmente a internet aqui e o formato relativamente grande dos arquivos está sendo um obstáculo...